quarta-feira, outubro 04, 2006

[...]

Nú chão...

Hoje (ontem... sempre!) fugi de mim e dos meus pensamentos... acabei por me achar lado a lado nas memórias futuras revisitadas ao longo do passado tempo.
Achei(-me)... perdi(-me)... e regressei à angustia de não saber novamente para onde fugir.
É estranho... mas é quando mais queremos de nós fugir que mais rápido e fortemente acabamos por nos encontrar.
E tudo recomeça... e todo o meu eu me prende... e toda a minha sombra me ilumina...
Fugir de nós próprios... para sempre nos reencontrarmos, é fugir de um pesadelo... para nele continuarmos a viver.
(a sombra...sombreou por si)

5 comentários:

Som do Silêncio disse...

Já tinha saudades de te ler....

Beijo!

DIV de divertida disse...

pois... fugir é continuar na mesma.
fugir é piorar.
mas é certo que muitas vezes é tão bom fazer de conta que não se passa nada...
o problema é que depois tudo acaba por nos cair em cima... e fora de tempo...
raios! como isto é complicado!

Ana disse...

Valerá a pena fugir?

LuaMaria disse...

ò... rotunduloso, caraças hoje andei por aqui a ler o teu belogue e cheguei a uma conclusão... que grande beloguloso tu me saiste caraças :-))
beijos, aqui da tua chinelosa querida

Lita disse...

"Eu sem mim não existo" ( como lá digo eu)

Para quê fugir de nós próprios?Será solução??
Mas...e pensando bem, às vezes é bom fugir de nós...de tudo...de todos! (até da nossa sombra)

Beijoca *


(olha..olha a famosa foto):P