sábado, agosto 27, 2005

Um Presente…

Hoje resolvi-me a reavivar certas memorias… de tempos não muito distantes mas de saudades crescentes. Sim, as saudades não se alimentam exclusivamente do passado, por vezes sentimos saudades do presente… não sendo também de excluir esse mesmo sentimento para com o futuro… estamos tantas vezes tão distante de nós… do nosso passado, do nosso presente, viajamos tão longe e tão depressa, que é natural sentir saudades de algo vivido em realidades abstractas.
Percorri então caminhos passados, por mim muitas vezes calcorreados, fui revivendo o passado, recordando as minhas visitas habituais... sempre tão diferentes, sempre com novas descobertas. É engraçado como o chão que piso é o mesmo na sua forma, chego a pensar que, aqui, a erosão do tempo apenas renova e rejuvenesce o solo em que navego.
Estranhamente sinto uma enorme e estranha sensação de deriva… caminhos que conheço tão bem… mas sempre que neles minha alma percorre, parece que caminho à deriva por rumos conscientemente traçados… sinto-me guiado pelo leito da floresta… sinto-me como peixe na água… que não sabe propriamente nadar, mas que se sente mais que nunca em casa. Inúmeros pensamentos e emoções já eu deixei por aqui… quem sabe se não será por isso que tudo me parece estranhamente familiar… quem sabe se não é por isso que, aos meus olhos, a erosão não existe… conheço demasiadamente bem tudo aquilo que, as mutações existentes não são mais que meras névoas que o chão erradia, mas que o olhar consegue filtrar e desvanecer!
Faço uma pausa… deixo-me «atracar» num porto mais seguro… deixo-me permanecer aqui, mesmo debaixo desta árvore, fazendo dela o cais onde as amarras da alma se deixa repousar… sento-me primeiramente… e como uma folha que agora cai da arvore… deixo meu tronco fazer-se passar por essa folha… seguindo ate ao chão pintado de verde.
É assim que avisto o céu… verde… ponteado aqui e além com pequenos lagos azuis… Sabem, escutando com atenção… acho que este vento que por aqui passa… vem do mar… mas, afinal o vento não será tão imenso quanto o mar? Assim como uma onda… que percorre os oceanos e esmorece em várias e distantes costas… também o vento incorpora em si enormes distancias… assim como uma onda é uma massa gigante de água (água que já foi ar) … o vento não será mais que uma massa de ar (ar que já foi água) … que vai «varrendo» a alma de todos os seres. Deve ser por isso que, imensas vezes, quando sentimos o vento a acariciar as folhas das árvores, o som produzido se confunde… com o som do mar.
Estou aqui… longe de tudo e de todos… atento à dança das folhas ao sabor da melodia que o vento possui… sinto que se fechasse agora mesmo os olhos… e visse unicamente os sons, por certo o som do ranger da árvore, seria a visão de uma pobre embarcação em pleno oceano… mas… não… não, tudo o que agora mesmo a minha alma avista é este verde… sim, hoje não me apetece ver mais longe… hoje fico por aqui mesmo…
Já sentia saudades de ver o presente… de sentir apenas o agora, sem fazer disso uma ponte para a margem do passado ou do futuro… hoje, resolvi dar um presente a mim mesmo… esse presente era…o presente! Tirei o embrulho feito de folhas verdes… e de lá saiu, aquilo que os meus olhos vêem… quanto ao restante… ficaram apenas em mim… e em cada uma destas folhas!

4 comentários:

Nokinhas disse...

Ai...ai (suspiro) as saudades......!!! jinhos (hoje não estou muito inspirada, para tye dar conversa....a culpa é das saudades) ;0)

Destiny disse...

Eu não gosto do presente...tenho saudades do passado, do tempo em k eu olhava para a s árvores e apreciava a sua beleza, ficava vendo a beleza que havia no cantar dos passarinhos ou numa simples folha correndo pelas águas cristalinas dum ribeiro. O presente esse eu olho com lágrimas e o futuro não o vislumbro...
Beijinhos para ti e k olhes sempre assim o presente :o)*

"madinha" disse...

um presente??? hummmmm.... um beijo que aqui deixo!!! ENORMEEEEEEEEE!!! afilhado, o pssado é passado e não é em vão que se chama passado!! o presente é este....e o futuro a Deus pertence...mas nada disso nos impede de ter saudades... sim saudades!! as saudades existem pq se viveu algo de bom...qd se viveu..se se viveu....e .... todos nós vivemos, mm que tenha sido num tempo remoto!! beijão "filhado lindo" :-)**

Anónimo disse...

Psiuuuuuuu !!

hum .... que bom que é passar aqui!!

Pois bem lindo , os anos passam e as lembranças são eternas, a saudade é permanente e os nossos olhos partem em busca de cenas vividas... muitos mais anos virão e quem sabe a nossa estadia nesta vida seja curta não sabemos ...
Mas com todas as adversidades, lagrimas derramadas, ainda assim, a alegria de viver é o maior presente embrulhado em papeis de brilhos e momentos.

Sabes quem sou ???
Tenho certeza que sim
Beijinho muito grande