quarta-feira, abril 27, 2005

Azul (E) Escuro...

Poeta à luz sentado
vê na sombra, reflexo
da claridade em si, castrado
escuro, no puro sem nexo.

Desenhas letras audíveis
ao sabor do som silencioso
escreve no escuro, amores visíveis
caminhando à luz do assombroso.

Pé ante pé, de rasto lento
varre a poeira acumulada,
a sombra vagueando faz o vento
da memória antes sonhada (amordaçada).

Planeta de luz…
de vivas cores e formas,
a sombra, és tu quem seduz
o vulto que no brilho… contornas.

1 comentário:

Catarina disse...

Azul...é o mar, é o céu é a cor dos meus olhos, dos meus sonhos....porque eu sonho sempre azul!
Azul é magia!
Li deliciada tudo aquilo que escreveste, abandonei-me nas tuas palavras e deixei que todos os sentidos falassem em silencio o feitiço que tinhas feito em mim.
Um beijo, Catarina