quarta-feira, abril 14, 2010

Legenda de um silêncio apalavrado

- Tu és o amor?
- Não. Sou o que a tua sombra conseguiu iluminar.
- És tu amor? És tu? És amor? És, não és?
Não és?

És sim, eu reconheço-te em cada ruga que o teu sorriso não consegue esconder…
Não me respondes?
Não me ouves?
És tu não és?
- Sabes… o silêncio existe para te escutar…
E escutar-te… é sentir a brisa deste imenso mar (que é só nosso) a sussurrar-me ao coração os sorrisos que encontro no teu olhar.
Foto

9 comentários:

Cláudia Faro Santos disse...

(:))

Ana Pinheiro disse...

Nem todos sabem interpretar o silêncio... Às vezes... acho que não sei. ehehe
Beijinho.

zuzinha disse...

Opá... ainda não tenho rugas!!!

Meu Universo disse...

muito bom

Andrea disse...

Texto delicioso..

Beijo camurso .)

busquesantidade disse...

Que bom que você voltou! Ficamos felizes em poder compartilhar da beleza de seus versos. Abraço fraterno. Lourdes Dias.

Susaninha disse...

GOSTEI....SUUUrrisinhos:)

tonsdeazul disse...

«um só olhar
pode ser uma voz não dita.
para acumular dores
o mais das vezes
bastou um desamor.
sei: a solidão
ecoa de modo muito silencioso.
sei: muita silenciosidade
pode reciprocar
verdadeiros corpos num amor.
um só silêncio
pode ser nossa voz não dita
ainda nunca dita.
para ecoar um silêncio
bastou gritarmo-nos para cá dentro
num gritar profundo.
já silenciar um eco
é missão para uma toda vida:
exige repensação da própria existência.»
«Que sabes tu do eco do silêncio?», in Há Prendisajens com o Xão, de Ondjaki


E as palavras calam-se
Porque nada mais acrescentam.
Permanece então o si-lên-cio...

Lita disse...

É no silêncio que te leio.
Beijo