quarta-feira, janeiro 23, 2008

[ ]

Um dia,

Acordamos bem longe

[que nem peixe fora de água]

Respiramos pela mordaça que nos filtra as palavras da alma

[e afogamo-nos nos destroços que jazem à superfície]


É tarde, é já muito tarde…


O relógio solar já não tem energia suficiente para as sombras reger…

e os ponteiros imaginários de um tempo perdido,

estão tatuados

[em forma de rugas]

na palma...

da tua...

mão.


8 comentários:

verdinha disse...

esta sempre tudo tatuado ,como se fosse sina.. o pior é que está mesmo tudo escrito nas nossas maos! ou pleo menos é por elas que nos levamos e escrevemos ....e vivemos! ....atados!

BB (O.ö) disse...

:)

ruinzolas disse...

És o maior!

Abraço

Touro Ascendente Leão disse...

LINDO!
clap, clap, clap!

AJO disse...

Cá vim agradecer e retribuir a visita lá ao meu «cantinho». Pelos vistos não é só fotografia, pelo que li o jogo de palavras também é o seu forte.
Gostei de cá passar. Bom resto de semana e até já.

PS. Dia 9 está mesmo aí à porta.

Dalaila disse...

e essa mão que me acompanha, me deita, me veste por dentro e sente-se os ponteiros que não existem

beijinho

tonsdeazul disse...

Será que é assim tão tarde!?
Será que os sonhos não poderão mostrar em nós "as palavras da alma"!?
Não, não será assim tão tarde...
O relógio ainda agora começou a rodar as horas...
E as minhas mãos mostram-me que ainda não é tarde...

Andrea disse...

precisas de linhas? lol